Alma de Jardineira

quarta-feira, agosto 11, 2010

no incerto silêncio

no obscuro desejo,
no incerto silêncio,
nos vagares repetidos,
na súbita canção

que nasce como a sombra
do dia agonizante,
quando empalidece
o exterior das coisas,

e quando não se sabe s
e por dentro adormecem
ou vacilam, e quando
se prefere não chegar

a sabê-lo, a não ser,
pressentindo-as, ainda
um momento, na aresta
indizível do lusco-fusco.

Vasco Graça Moura

2 Comments:

  • Tenho o jardim ideal para si...

    By Blogger Dylan, at 12:04 da manhã  

  • Querida conterrânea.
    Bela foto, belo poema de Vasco Graça Moura.

    Lembro-me tanto d terra onde nasci e, cresci até aos 18 anos. Jamais a poderei esquecê-la mas criei raízes neste infinito Alentejo que outrora foi a terra do sangue suor e lágrimas bem como o celeiro de Portugal. O nosso mundo, é o meu mundo. Sou um Madeirense errante, muitos portos e aeroportos deixaram-me pisar outras terras e conhecer outras gentes. Hoje, a idade já não me permite as mil e umas aventuras de outrora. Dê-me notícias.Ai pinho! ai verde pinho! se verdes o meu amor ! ai o é! ai o é! Emoções, quem as não tem?
    Um abraço . João.

    By Blogger Espaço do João, at 10:43 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home