Alma de Jardineira

segunda-feira, maio 24, 2010

mãos abstractas por dentro das folhas


O poema lírico nasceu de uma roseira. Não
digo que fosse a rosa de cima, aquela que todos
olham, primeiro que tudo, pensando
em cortá-la para a levarem consigo. É
a rosa nem branca nem vermelha, a rosa pálida,
vestida com a substância da terra
a que toma a cor dos olhos de quem a fixa, por
acaso, e ela agarra, como se tivesse
mãos abstractas por dentro das suas folhas.

(...)

Nuno Júdice

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home