Alma de Jardineira

quarta-feira, novembro 18, 2009

e de querer-te a não te querer chego


Não te quero senão porque te quero,
e de querer-te a não te querer chego,
e de esperar-te quando não te espero,
passa o meu coração do frio ao fogo.
Quero-te só porque a ti te quero,
Odeio-te sem fim e odiando te rogo,
e a medida do meu amor viajante,
é não te ver e amar-te,
como um cego.

Tal vez consumirá a luz de Janeiro,
seu raio cruel meu coração inteiro,
roubando-me a chave do sossego,
nesta história só eu me morro,
e morrerei de amor porque te quero,
porque te quero amor,
a sangue e fogo.

Pablo Neruda

1 Comments:

  • Belo texto para bela camélia. Há muito tempo que por aqui não passo, não por falta de amizade, mas também por não puder estar muitotempo aoPC. A minha érnia discalnão gosta que eu esteja muito tempo sentado. Também deitadonão gosta e, se estiver de pé ainda pior. Coisas do PDI. Beijo amigo. João

    By Blogger Espaço do João, at 10:15 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home