Alma de Jardineira

domingo, fevereiro 01, 2009

Todo o nada que és é teu


Gato que brincas na rua
Como se fosse na cama,
Invejo a sorte que é tua
Porque nem sorte se chama.

Bom servo das leis fatais
Que regem pedras e gentes,
Que tens instintos gerais
E sentes só o que sentes.

És feliz porque és assim,
Todo o nada que és é teu
Eu vejo-me e estou sem mim,
Conheço-me e não sou eu.

Fernando Pessoa, Janeiro de 1931




0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home