Alma de Jardineira

quarta-feira, novembro 19, 2008

Amo as horas sombrias do meu ser



Amo as horas sombrias do meu ser
em que os meus sentidos se aprofundam;
nelas encontrei, como em velhas cartas,
o meu dia a dia já vivido,
ultrapassado e vasto como uma lenda.


Elas me ensinam que possuo espaço
p´ra uma intemporal segunda vida.
E por vezes sou como a árvore
que madura e rumorosa, sobre uma campa
cumpre o sonho que a criança de outrora
(abraçada por suas cálidas raízes)
perdeu em tristezas e canções.


Rainer Maria Rilke . Tradução de Ana Haterly

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home