Alma de Jardineira

sábado, agosto 09, 2008

à janela dos dias


Choras, e nem eu posso
mais do que lágrimas, coisas frias,
sobre as tuas mãos abandonadas
à janela dos dias.

Alta tristeza de cabelos de água,
é no meu rosto que se demora
- meu coração
escreve na noite como quem chora.


Eugénio de Andrade

1 Comments:

  • Este é um daqueles poemas que eu queria ter escrito... "cabelos de água" será o quê? Lisos, escorridos e voluteando ao vento? Ou encaracolados e despencando em cascata aveludada e meio que ocultando o rosto de quem chora?

    By Blogger Dalva Maria Ferreira, at 6:18 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home